A Arte da Guerra - Blog Conectabem

As pessoas comumente falam que o tempo passa para todos, mas parece que isso não se aplica para o livro A Arte da Guerra que foi escrito por um general chinês chamado de Sun Tzu onde ele faz uma espécie de manual com estratégias importantíssimos há mais de 2500 anos.

É fato que muito dos grandes generais estrategistas da história, como o próprio Napoleão Bonaparte e também Mao Tsé-Tung fizeram uso de muitas das estratégias do General Sun Tzu, em suas atividades.

Os conhecimentos geram valor para Vida

Sabemos que atualmente a guerra não apresenta riscos tão grandes e significativos para a humanidade como em tempos atrás. Mas é importante a compreensão de que todos os conhecimentos são fundamentais para a aplicação em muitos casos de nossas vidas.

Isso se aplica em especial ao nosso caso que remetemos ao mundo dos negócios, que isso é hoje considerada como a nossa guerra moderna do dia a dia.

Dessa forma, se você está em busca de informações de negócios considerando que este é de fato uma guerra que batalhamos no cotidiano, e quer entrar na Arte da Guerra, saiba que este livro é tão importante para você quanto para o general Sun Tzu e para outros que já fizeram uso dessas informações.

Os grandes ensinamentos na Arte da Guerra

1. É necessário conhecer o inimigo bem como a si mesmo para que a Vitória apareça

Observe que muitas pessoas marcam uma entrevista de emprego mas não percebem que este é um momento de muita importância. Elas simplesmente não fazem a menor ideia com quem estão lidando: Abrem a porta, sentam na cadeira e olham para o entrevistador.

A ideia é que se você realmente deseja este emprego, é necessário conhecer o mais que lhe for possível sobre aquela pessoa que está do outro lado da mesa.

É necessário que você dedique um bom tempo em pesquisas sobre a empresa, sobre o mercado em que ela atua, sobre as decisões que atualmente estão tomando, sobre os produtos e serviços com os quais ela trabalha.

Igualmente você deve fazer pesquisas sobre você mesmo para que se conheça a fundo. É necessário que você tenha em mente quais são as suas características e habilidades, quais são os seus pontos fortes e também aqueles considerados fracos.

Observe que é necessário você ter a ideia sobre com quem você está lidando e também de que forma você pode contribuir com a empresa, para que esta de fato contrate você.

Não deixe se enganar com pensamentos do tipo de que vai trabalhar incessantemente e de forma dura, que empregará bastante esforço em suas atividades, enfim, nada disso é interessante neste momento. Saiba que estas foram as respostas da maioria das pessoas que foram entrevistadas anteriormente.

2. Tenha os soldados como filhos que você ama e eles certamente estarão do seu lado até o último momento de sua vida.

Havia algum tempo atrás um líder bastante conhecido por ser uma pessoa muito rígida. Os soldados eram vistos como ferramentas apenas e que deveriam ser utilizadas somente durante as batalhas.

A questão aqui é que não havia nenhuma relação humanitária entre este líder e os seus soldados. Não havia nada que remetesse ao amor, ao respeito, e sequer havia confiança mútua.

Era tudo resolvido com insipidez: Se algum soldado apresentava-lhe algum problema, ele certamente mandava cortar a cabeça desse soldado.

Mais um dia de grande revolta, o líder foi traído e chegou a ser assassinado. Com isso transmitimos a ideia de que as ações rudes de um líder são toxinas para os seus empregados.

Observe que se você não trata com respeito, lealdade e confiança as pessoas com quem trabalha, então tudo que você receberá de volta será desobediência, infidelidade, ressentimento e até mesmo o sentimento do ódio.

É válido sempre lembrar que o fato de estar liderando não indica que você é melhor ou que está em um patamar pessoal acima das pessoas que trabalho para você.

O que deve ser feito é dar para estas pessoas o que há de melhor em você, e exatamente eles retribuirão com o melhor.

3. É necessário evitar os pontos fortes, mas atacar os pontos fracos.

Geralmente a gente sempre age focando o contrário. É difícil atacarmos a fraqueza dos concorrentes considerando-a como oportunidades, e habitualmente queremos superá-los naquilo que desempenham com excelência.

Exemplificando: Em seu primeiro dia de trabalho você observou que todos os seus colegas são bons em servir café ao chefe, e você volta para casa pensando em uma forma de como fazer um café melhor que os outros.

Ao invés de você se preocupar com a questão do café, seria interessante você pensar em desenvolver habilidades em outras tarefas do escritório, como exemplo citamos: criar uma forma melhor de atender as pessoas ao telefone ou pessoalmente, o mesmo uma técnica mais eficiente em tirar cópias.